história recente

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

Vida

A história

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Sexta-feira, 6 de Novembro de 2015

Diário de viagem

14/07/2015

Ainda que repetisse mil vezes a mesma viagem não me acostumaria nunca a esta ferida da cor. Essa fenda tão invisível como certa que separa aquelas quatro raparigas perfeitas na sua brancura, das duas mulheres pretas que, em uma alegria popular e alta falam no ónibus das conversas de facebook.

Nunca me acostumarei a esse mundo que coloca as perfeitas e inúteis moças brancas por cima das mulheres pretas que arrumam a sua casa. E ainda permite que riam na sua falsa superioridade da linguagem errada e colorida com que enchem o ónibus que compartimos de volta da praia.

Mas pior me acostumo a ser também uma rapariga perfeita e branca. Alinhar com as que rim embora não ache graça nenhuma. Alinhar do lado das que tenhem medo. Mais difícil sentir que essa ferida é tão funda que farám falta toneladas de concreto para apagá-la.

Não me conformo. Quero meter os meus braços bem no fundo dos lodos e jogá-los na cara de todas as raparigas brancas e perfeitas. Também na minha.

 

18/07/2015

Instalada no estranhamento vejo tudo com olhos de criança. Tudo é novo e os sentidos não são suficientes. Quando algo me magoa choro, como criança. Também a felicidade me alcança de uma forma simples. Na intensidade em que a pessoa amada vive o retorno. No carinho das pessoas que vou conhecendo e oferecem generosos abraços e beijos. Na vista da baía que resiste ainda à urbanização e se apresenta majestosa ante a minha olhada nova, de criança. No concerto intenso e concentrado, formoso. Tudo muito emocionante.

Às vezes preciso uma pausa. Só respirar e lembrar quem sou eu. Embora neste momento não há um eu a que agarrar-se.

 

19/07/2015

Na viagem tudo é presente. Às vezes o passado assoma como uma fraca ferramenta de comparação. Mas não há comparação possível e o passado esfuma. O futuro é apenas um tempo verbal em que formulas breves interesses práticos: "Vou sair comprar pão" "Amanhã iremos no Rio". Pronto, não há futuro além de amanhã.

Essa nova forma de configurar o tempo deixa-te entre o fascínio e a felicidade. A memória é só uma fonte de histórias divertidas com que encher as conversas. Os planos de futuro, um vício longínquo que não compreendes.

 

29/07/2015

A renovação. Parece que a limpeza do corpo ia acompanhada da limpeza de espírito. Na água transparente do rio viu as várias gerações de índios que desfrutaram de aquele lugar sem interrupções. Imaginou a felicidade de homens e mulheres que chegavam lá depois de longas caminhadas baixo um sol ardente. Viu, como se fizesse parte das suas memórias, as crianças brincando baixo a água da cachoeira. E foi feliz.

Esqueceu que aquele mundo já não existia e, muito provavelmente, não fosse possível nunca mais. Esqueceu das imagens arrasadas sob toneladas de progresso e ambição. Esqueceu o pessimismo quase atávico com o que convivia todos esses dias. Foi feliz como se aquela fresca água de rio trouxesse de volta aquele mundo.

                                                                                                                                       e II

imprimir como tatuagem na pele a sensação de limpeza e renovação do banho. O rio entrou em mim além da carne. Um sentimento de eternidade alaga-me ao mesmo tempo que a água. Quero guardar essa lembrança impressa no corpo. Recorrer a ela cada vez que a rotina me atrapalhe, cada vez que o mundo bata em mim com a sua estúpida distorção dos valores. Cada vez que a vida se empenhe em esquecer a beleza.

 

23/08/2015

Transitar polas rotinas com a percepção da distância. Aquela velha cissão da menina voltando em cada lembrança. A dúvida. Sentir que talvez a essência da tua vida seja esse incomodo. Esse estar num lugar querendo estar noutro pra ir a esse outro querendo estar no primeiro. Talvez a motivação primigénia seja o desconforto.

 


Laila_lilas às 19:12

| fala | dizem por aí (2) | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds