história recente

Outono

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

A história

Outubro 2017

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Segunda-feira, 20 de Junho de 2011

Vida

Um dia acordas com o sentimento de finitude colado ao corpo, e a morte torna-se uma realidade tangível, quase podes tocá-la.

 

Sempre foi assim, desde pequena quando dormias com o avô e acordavas de madrugada com a ansiedade dele ter morto. Então deixavas de respirar só para ouvir o seu alento e aquele assubio dos pulmões veteranos devolvia-te à calma. Ou ainda mais pequena a primeira vez que esse mesmo avô te levou velar o cadáver da tia e ficache olhando aquela diminuta imagem amarela, pensando que ela não podia ser aquela boneca, que já não estava ali e o lugar em que estava era, de facto, mais parecido com a luz e com o céu.

 

Ou cada vez que um morto da tua família te visitava nos sonhos dos dias seguintes e, apesar do desassossego que provocavam em ti, sempre traziam uma mensagem de paz. Faziam um carinho na tua cabeça ou sorriam simplesmente porque ninguém podia vê-los além de ti, sorriam agradecidos porque os olhavas e fazia-los existir com essa olhada.

 

Quando o pai morreu e com ele a criança que ainda ficava nos teus trinta e um anos imaturos. E quando a partir daquele dia a presença do teu pai foi cada vez maior e mais próxima, e com ela, a de todos os mortos anteriores que voltaram a ti tranquilos e sorridentes só para lembrar-te.

 

Sempre foi assim.

 

Só que hoje, a morte é a tua. E essa segurança tangível é apenas uma afirmação da vida.

 

sons: Mercedes Sosa: Zamba para no morir

Laila_lilas às 20:17

| fala | favorito
|

Quarta-feira, 8 de Junho de 2011

Sonhos

Voltar a sonhar é como voltar a ler a Cunqueiro. A lógica da fantasia, a magia, impõe-se no mundo e essa verdade é a verdade mais real. As minhas noites estão cheias de personagens extravagantes tornados nos seres mais naturais. Movem-se polos sonhos com a sua lógica patafísica onde nada é o que parece. Ou melhor. Onde tudo é exactamente o que parece. Enchem-me de vida. Estou habitada polo melhor dos mundos possíveis. Acordo rindo e cheia de energia porque a saúde está voltando e o ruído foge.

 

sons: B.S.O O homem elefante:

Laila_lilas às 15:51

| fala | dizem por aí (3) | favorito
|

pesquisar

 

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds