história recente

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

Vida

A história

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Domingo, 5 de Dezembro de 2010

Desamparo

A minha infância mora numa casa velha de pedra, habitada por mais de cem anos de história. Lá mora acompanhada do meu pai ainda vivo, o meu pai que leva torpemente a diminuta mão da minha infância agarrada nas suas enormes mãos de trabalhador incansável.

Moram também lá um avô especialmente sensível à arte e ao espírito (que é quase como dizer a mesma cousa), um avô que acompanha as minhas letras infantis com um entusiasmo de avô emocionado, uma avó fisicamente desconhecida mas muito próxima de mim e a minha vida. E vivem também, uma tia avó que tenta parar com um pano o sangue das feridas duma mordedura de cão no meu rosto infantil.

Procurando bem, encontro dous irmãos que brigam e brigam sem parar ante os estupefactos olhos da minha infância que não compreende que podam brigar querendo-se tanto, e que podam depois da briga voltar a rir e brincar juntos, unidos por um invísivel cordão umbilical.

E vive uma irmá precozmente responsável e preocupada por mim, pola minha infância desorientada e a minha adolescência muito mais desorientada ainda.

Pairam por lá também a adolescência revoltada e uma juventude em que aos poucos todo ia tomando o seu lugar. Centos de leituras extravagantes em lugares ainda mais extravagantes (no prado com as vacas, sentada em cima da erva seca, com as costas no palheiro...). E um incontável número de festas populares com todos os anversos e reversos possíveis.

 

Hoje, a minha infância, o meu pai ainda vivo, o meu sensível avô e a avó desconhecida, a pequena tia avó e todo o resto, ficaram sós na casa de pedra, e um pouco sem abrigo. E eu sou a que sinto desamparo.

 

 

sons: Renaud García Fons & Jean Louis Matinier: Derniere Route

Laila_lilas às 18:31

| fala | dizem por aí (2) | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds