história recente

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

A história

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

Universais

Não é preciso estar em todas as situações do mundo para conhecer a sua música, para saber dos movimentos, do ritmo do coração. Pode que nunca fosses abandonada, mas a desolação que sentes em domingos de chuva com os telefones silenciados pertence à mesma melodia. Talvez não tenhas sentido a paixão amorosa que linda com o esquecimento, mas a alegria que sentes apenas por olhar um rosto, o nervosismo dos minutos antes de encontrá-lo, as estupidezes ditas como se fossem as únicas verdades possíveis fazem parte da mesma sintonia. O abraço dum menino ao que acabas de oferecer uma larpeirada tem o tremor do agradecemento filial. Sim, não é preciso experimentá-lo tudo. Apenas ter o ouvido atento e o coração aberto.

Para o resto das cousas, para as que é impossível compartir, para as que não tenhem nome, para as que não deveriam exisitr, respeito.

sons: Astor Piazzolla: Oblivion (polo Rastrelli Cello Quartett)

Laila_lilas às 17:05

| fala | favorito
|

Segunda-feira, 8 de Junho de 2009

Hedonismo

Contra a fealdade o prazer. Porque a vida já é suficientemente complexa e os acontecementos sucedem sem necessidade de ajudá-los. Porque as desgraças nunca venhem sós (sabedoria popular). Por isso, dança comigo até o fim do amor, abraça-me não como se fosse esta noite a última vez mas como se fosse a única. Não me contes agora a dor. Vamos deixar que a música se acabe e a pele transpire as tristezas. Vamos ficar colados enquanto dure. Vamos fazer que a Terra não pare, que continue a girar apesar. Vamos perpetuar a dança como quem perpetua uma espécie, como quem acredita na salvação. Contra a tristeza o prazer.

sons: Madeleine Peyroux: Danme me to the end of love

Laila_lilas às 23:52

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Descoberta

Cada dia novo, sem clasificações nem medidas. O prazer. A descoberta. Viver de novo cada repetição como se não tivesse existido nunca. Primeiras vezes cada dia, em cada olhada, em cada morango com sumo ou cada copo de vinho. Tudo na vida deveria ser uma descoberta. Até as repetições.

sons: Michael Buble: For once in my life

Laila_lilas às 16:52

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds