história recente

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

A história

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Sábado, 30 de Maio de 2009

Reprovados

Se os exames se fizessem sobre as matérias certas estariamos todas reprovadas. O que se passa é que os exames são sobre cousas absurdas como o Cid Campeador ou o seno e o coseno. O que se passa é que só nos perguntam se há quatrocentos e tantos anos se descobriu o que... Há que começar a mudar a dimensão da tragédia.

sons: Tony Zenent: soñar contigo :-)

Laila_lilas às 14:35

| fala | favorito
|

Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Máscaras

Pintas uma risca nas pálpebras, passas com carinho a escova do cabelo, reparas um pêlo mal depilado que teima por saír. Duvidas diante do guardarroupas uns minutos, demoras em decidir que é que combina bem com o teu dia, com o teu ânimo. No espelho afalagaste, diste o fermosa que estás hoje, o bem que levas os anos que figeche não há muito, o bem que levas a tristeza e esse amor a apodrecer e fazer pouso. Por se isto não chegar sobes encima duns sapatos de saltos comprados especificamente para uma situação assim. Sais à rua.

Como não dá certo, compras um maço de tabaco e procuras-te uma cortina de fumo.

sons: J.P. Simões: A minha geração

Laila_lilas às 17:07

| fala | favorito
|

Sábado, 16 de Maio de 2009

Excepção

Permitide-me esta excepção roubada de dous sítios diferentes:

 O Professor está sempre errado.

O material escolar mais barato que existe na praça é o professor! 
(JôSoares)

É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um 'caxias'.
Precisa faltar, é um 'turista'.
Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala correctamente, ninguém entende.
Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu 'mole'.


É o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.
(Fonte - Revista do Professor de Matemática, no.36,1998.)

 

E falando em agradecer:

 


Laila_lilas às 18:57

| fala | favorito
|

Domingo, 10 de Maio de 2009

Poetas

filosofia da mobília

 

a esta princesa chega-lhe uma enxerga e faz um retiro

[oferece-lhe também a aristocrata ervilha]

a esta guerreira basta-lhe um sofá e constrói um descanso

a esta ratinha abondam-lhe duas estantes e rilhas nos livros

rilha que rilha

a esta branca de neve dá-lhe um espelho e revela-se ilimitada

 

eis a mobília necessária para imaginar um paraíso.

 

                                       Susana Sánchez Arins, (De)construçom.

 

 

sons: Jorge Pardo, Carles Benavent e Tino de Giraldo

Laila_lilas às 17:59

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds