história recente

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

Vida

A história

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

Olhos

Por uma única vez fui capaz. Na tua frente. Olhando-te directamente meti-me nos teus olhos e vi através deles. Vi exactamente o que tu vias. A cicatriz na tempa esquerda, o nariz longo, um pouco desmesurado mesmo, a boca pequena mas definida, presente, o queixo bicudo. Vi a cara angular, imperfeita, fermosa. Depois fixei-me nos olhos, enmoldurados por umas celhas mal depiladas. Vi as pupilas castanhas e o íris preto e grande, vi além da olhada linda, além dos olhos bonitos. Vi-me na beira do abismo. Então compreendi por que tés medo.

sons: Marta Topferova: Ojos poderosos

Laila_lilas às 10:21

| fala | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Ausência

Apenas uma mão apoiada no começo das costas, ocupando o oco da coluna vertebral. Uma carícia leve, que toca o rosto ao passar como ao acaso, e um sorriso nesse exacto segundo em que a olhada se cruza. Um passeio na praia escolhendo cunchinhas para um hipotético adorno no salão, um adorno que nunca será. Atirar dos cabelos como para fazer dano mas sem fazer, uma festa na cabeça. A gargalhada limpa por esse motivo que só tu e ela no mundo podedes conhecer. Uma mensagem ridícula no caderno em que fas a contabilidade doméstica, "you are so beatiful". A repetição de novo de outro lugar comum, outro tópico que é mais uma vez a verdade.

sons: Quinteto Tati "Suor e fantasia"

Laila_lilas às 10:08

| fala | favorito
|

Sábado, 12 de Julho de 2008

Palavras

Às vezes saem tantas e tão fácil que por um momento é possível acreditar que existam, que realmente tenham algo que dizer. Ou o que é o mesmo, que tenha algo que dizer. Só que a maioria dos dias do ano, a maioria dos dias deste ano estão em silêncio. Faço força para que saiam, atiro delas porque necessito que se formem. Às vezes apanho uma caneta e apoio no papel, sabendo que a mão acabará por mover-se e dar-me algo. Mentiras. Mas algo do que pido ao fim. No entanto estão dentro de mim e ocupam muito espaço. Cada vez que me movo sinto como encaixam de novo, como o puzzle que devem ser milhares de palavras por dentro do corpo. Deve ser por isso que tenho que mover-me lentamente, com cuidado de não magoá-las, ou o que é pior, de provocar que assentem definitivamente. Estão aí quase como um fantasma, só que eu sei perfeitamente que não há nada de sobrenatural em estar cheia de palavras. E não vão sair. Apenas porque nada do que tenho para dizer se pode dizer com palavras.

 

sons: Mísia: Liberdades poéticas

Laila_lilas às 13:36

| fala | favorito
|

Terça-feira, 8 de Julho de 2008

Perspectivas

Nunca perder a perspectiva. Quando te sentes desgraçada porque as pessoas à tua volta desaparecem, porque algum desafortunado acidente che toca a ti, porque tes que trocar uma semana de férias por uma obriga familiar que che chupa a energia draculianamente. Em qualquer circunstância segues sendo a mesma e segues sendo igual de afortunada. Não perder a perspectiva.

sons: Mariza "Transparente"

Laila_lilas às 09:34

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds