história recente

Outono

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

A história

Outubro 2017

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Domingo, 30 de Março de 2008

A diário

A felicidade é uma construição diária. Não chega apenas com dizer, já está, sou feliz...  Dia após dia, um esforço. Há dias que sai natural, que o Sol é muito e nutritivo, que a primavera já fez a metade do trabalho, que a música soa mais alta e mais energética, que as costas estão direitas e não precisas exercício nenhum. Mas outros dias... É um trabalho. Atirar o pé da cama sabendo que cada gesto vai significar um esforço, fazer o pequeno-almoço um esforço, fechar a porta um esforço, acender a rádio um esforço, tomar duche um esforço, subir as escadas um esforço. É nesses dias em que precisas lembrar a tua imensa fortuna, repetir-te que estás no lado bom e não há nada que não podas agradecer, sorrir diante do espelho porque sabes que o riso te constroi. Assim construída, com a felicidade como um doce que levas no peto disposto para qualquer momento, disponível. Essa é a tua tarefa diária.


Laila_lilas às 18:38

| fala | dizem por aí (4) | favorito
|

Sábado, 22 de Março de 2008

Parada

Aí continuo, parada.  E gosto de pensar que esta imovilidade é uma escolha pessoal, livre. Parada,  sem ir cara diante mas tampouco cara atrás. Â espera dum momento mais propício, à espera dum valor mais inteiro, à espera de que tudo continue a decorrer polo menos assim. Quase com medo a pedir algo mais, não seja que suceda e depois não saiba como gestionar.  Melhor ficar parada, se não caminhas sabes que não erras a rota. Se não tens meta sabes que não tens frustração por não alcançá-la.
Por agora, por hoje, por este minuto, parada.

Laila_lilas às 17:31

| fala | favorito
|

Quarta-feira, 5 de Março de 2008

A canção do verão

"un pasito p´alante maría, un pasito pa´tras"

Assim é a coreografia do mundo, um passo para diante e outro para atrás. Embora os revolucionários recomendassem que para trás nem para colher impulso. A coreografia do mundo é lenta e impredecível, nom se sabe cara onde vai e apenas podes aprezar a beleza, a estética, o sublime... Impredecível, indefinida.
Às vezes é melhor que todos os passos sejam para trás, se afinal, não é importante a direcção cara onde vaias mas sim o que há na meta. Para diante para alcançar o quê? Que outra riqueza incalculável, que outro progresso, que outra máquina recém inventada para eliminar uma mais das actividades humanas? Não, os passos cara diante não sempre são bons. Às vezes é melhor ficar parada, quieta, no lugar em que estás, sem ambição. Às vezes é melhor ir cara atrás e procurar um lugar incorrupto, uma soidade menos barulhenta, uma integridade irrompível.
O mundo doe-me quando avança e não quero ser partícipe dessa dor. Não sei se tenho possibilidades.
Um passo cara diante e outro cara atrás, hoje, escolho cara atrás.


Laila_lilas às 18:45

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds