história recente

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

Vida

A história

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

Encargo

 

           Olham-se frente a frente. Estám de pé, descansando o peso primeiro na perna esquerda e depois na direita. Com umha sincronizaçom tam perfeita que parecem atletas. Nom sabem quanto tempo levam assim, olhando-se. Nom o sabem porque o tempo nom significa nada. Nom existem, dim na física. Nem o tempo nem o espaço. Porque essa distáncia de olhar-se frente a frente tampouco existe.

            Se param um bocadinho a pensar, poderiam acreditar em que é um desafio. As olhadas fixas, quase sem pestanejar, duas lágrimas que denunciam a comichom do esforço polos olhos abertos, a teimosia de ficar ali de pé, frente a frente, sem ceder ao cansaço ou ao aborrecimento.

            Porque o tempo nom existe. Se existisse teriam um passado. Já se sabe, quem nom tem um passado quando o tempo existe? E esse passado talvez fosse umha pingueira na memória deixando as suas marcas. Umha pingueira fazendo erosom até modelar os corpos, as imagens, as expectativas, o futuro...

            Por isso podem alegrar-se. Porque o tempo nom existe, segundo a física.

            Numha decisom inesperada, abrem a boca para falar-se, em simultáneo. É tal a surpresa que nom conseguem fazer sair a voz. Esboçam um sorriso. E ao pensá-lo nesses termos “esboçam um sorriso” fam-se tanta graça que rim em alto, com uma gargalhada. Porque efectivamente o sorriso é o bosquejo que inicia a gargalhada.

            Em pouco tempo voltam a calar. Por algum motivo escolhem o silêncio. Falam-se com a pele, como se fossem bebés e essa fosse a primeira carícia que se dam. Por umha vez nom existe a palavra.

            Mas falam-se. Com a pele, com o riso. Nom com o riso apertado esse que dói apenas ao olhá-lo. Falam-se com um riso que ensina os dentes, embora estejam amarelos da nicotina e da espera.

            Tocam-se com o alento, desenhando em bafo carícias e pele. Sopram sobre o corpo e por um momento a olhada dança polo pêlo, por cada um dos milhons de pêlos sobre a carne.

            Estám de pé, frente a frente, olhando-se como se acabassem de nascer e nunca tivessem olhado nada antes. Dam um passo cara atrás e muda a perspectiva. Depois dous cara adiante. Umha última olhada ao corpo nu. Nada. Por um impossível segundo –porque o tempo nom existe- estranham-se. Talvez procuram algo no seu corpo. Aproximam-se mais um passo até quase tocar-se e começam o trabalho científico. Cada centímetro de pele, cada milímetro é investigado minuciosamente. Nada. Depois de tanto tempo, nada? Apenas a brancura da pele e a humidade. Certo. Nom o precisam. Nom necessitam nengumha marca de amor. Apenas amor. Sem marca.

 


Laila_lilas às 17:54

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds