história recente

Outono

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

A história

Outubro 2017

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007

Pisando ovos

E quando consegues soltar o medo, abandoná-lo, andas pisando ovos. Medindo o peso, com prudência. Como uma funambulista principiante neste circo, o da vida, muito mais surrealista e decadente que qualquer outro. Mas com o equilíbrio das amigas e do amor. Duas das cousas verdadeiramente importantes.


Laila_lilas às 16:49

| fala | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Novembro de 2007

Agarrar-se

Agarras-te ao que tens a mão. Lástima que neste momento apenas tenhas o medo. Por isso agarras-te a ele e confias em que é melhor isso que nada. Nem sequer és consciente da descrição do medo, de que rosto tem, de a que parte do teu corpo ataca. Porque tens algo a que agarrar-te.

Esqueces que não é necessário.


Laila_lilas às 15:42

| fala | dizem por aí (2) | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

Superficial

Lendo a Alba Rico, tudo me parece excesivamente superficial. A minha vida: superficial, a minha dor: superficial, a minha literatura: superficial... Tudo terrívelmente banal, sem importância. Mas pode que também necessário. Necessária para a sobrevivência a minha dor, a minha literatura. Necessário ser humanos e deixar-se caer e levantar, arranhar felicidade das pequenas cousas quando as grandes se empenham em ir mal. Ler filósofos que nos dão a exacta medida da nossa superficialidade, e saber que é necessária.

 

Todo o que palpita é necessário.


Laila_lilas às 19:27

| fala | favorito
|

Sábado, 3 de Novembro de 2007

Debilidade

E que rápidas são as debilidades. Ainda bom que eu sou forte.


Laila_lilas às 18:42

| fala | favorito
|

Psicólogos

Visitá-los apenas para que che digam o que não queres saber. Para confirmar-te que tens medo a... A quem lhe importa? Enganaste com absoluto conhecimento de causa, consciente de qual é a mentira que  precisas em cada momento. Como agora, que sabes que o correcto é abandonar. E abandonas. Até a próxima debilidade.

sons: estrella morente

Laila_lilas às 18:35

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

pesquisar

 

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds