história recente

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

A história

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

Barulho

As pessoas procuram o seu milagre para o novo curso: dieta, aprender línguas, organizar-se, não deixar que se acumulem as facturas...
O meu milagre particular, a religião a que vou aderir para já: despejar o barulho. Ter menos ruído na cabeça, que cada cousa ocupe o seu lugar. Sem sentir-se culpável no fracasso.
Será que é fim do verao e eu nunca faço colecções.

Laila_lilas às 19:52

| fala | dizem por aí (2) | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

Báscula

Às vezes basculas dum a outro sentimento, igual que mudas o peso do corpo duma perna a outra quando passas muito tempo de pé, parada. É uma forma saudável de descanso.
Muito amor pode ser cansativo, por isso é bom bascular o peso na outra perna e procurar a soidade.  É indiferente que não sejas tu a fazer a escolha. É indiferente que os sentimentos sejam provocados ou espontâneos. O único que faz diferença é bascular o peso duma a outra perna. Descansar. Fazer uma dieta ligeira para limpar o excesso. Expulsar os detritos em forma de lágrimas ou urina, tanto faz. Afinal há poucas cousas que façam diferença. Apenas uma presa, um feixinho que cabe numa mao.
É só que não te podes despistar. Porque se te despistas, abres a mao para apanhar outra cousa qualquer, algo completamente indiferente, e nesse gesto caem as poucas cousas que realmente fazem diferença. Então começa o trabalho. Porque perder é sempre mais fácil que encontrar.

Laila_lilas às 11:43

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds