história recente

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

A história

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Sexta-feira, 14 de Julho de 2006

Esperas

A espera não é apenas desespero. Existe um rito em esperar. Pelejar com uma mesma, aguentar um bocado mais sem olhar o relógio, não consultar o telemóvel por se há mensagens. A espera é um ritual. Tirar o caderno do bolso, reler a escritura doutras esperas, anotar as reacções. Agora é fome, agora pica o nariz, agora ergo a vista e há uns olhos observando as minhas mãos, algo tem de estranho estar numa sala de espera de hospital escrevendo num caderno branco.
Nalgum momento, pode ser uma hora, três dias ou uma vida depois, a espera acaba.
A esperança é um ritual.

Laila_lilas às 18:00

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Julho de 2006

Ciclos

Entre a excitação e a tranqülidade, a minha vida decorre, corre ou caminha. Habito a excepcionalidade, o desequilíbrio, a improvisação. E pratico a vaidade com um computador e uma página que consultam as amigas. Criando a ficção de que podem seguir o decorrer da minha vida com um bocado de imaginação e as três linhas que me dedico três ou quatro  vezes ao mês. Gosto das ficções, gosto do pacto que se gera, gosto de acreditar e fazer acreditar numa mentira que todas as pessoas conhecem.

E hoje tenho vontade de enviar-lhes um abraço, eles e elas sabem para quem.


Laila_lilas às 11:12

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Sábado, 8 de Julho de 2006

Excitação

Há poucas coisas mais excitantes que sentir outra vez a necessidade de escrever. Sentir as cócegas no estômago, ter a ideia e parar qualquer coisa (repito, qualquer coisa) que estejas fazendo para pôr-te irremediavelmente a escrever.  Sair à rua com o caderno e a caneta tremendo no bolso, sentar na praça mais bonita do mundo e deixar que saia tudo, sem reparar nas gralhas nem nos adjectivos mal colocados.
Depois, qualquer coisa pode suceder, mesmo arrancar as folhas e deitar tudo no lixo.

Laila_lilas às 19:18

| fala | favorito
|

Quarta-feira, 5 de Julho de 2006

Vertigem

Subo às alturas primeiro um passo e depois outro, não sou consciente mas chego ao topo. E agora, como é que se desce?

Laila_lilas às 15:57

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds