história recente

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

Vida

A história

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Quarta-feira, 28 de Junho de 2006

Comprimidos

Como uma pílula, toda guardadinha num envelope de plástico, resguardada do frio e da chuva, do sol e do vento. Protegida. Sem possibilidade nenhuma de ser erosionada.
Mas há um dedo que pousa encima da pílula, não faz pressão, apenas fica descansando minuto após minuto. É mole, o seu tacto é uma carícia despreocupada, sem intenção. E a pílula desfaz-se por própria vontade.

Laila_lilas às 12:13

| fala | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Junho de 2006

Sentir

sem deixar espaço à especulação nem à nostalgia.

Laila_lilas às 18:44

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Junho de 2006

Bordes

Viajar pelos bordes dos abismos, sem cair mas sem equilíbrio. Bordear limites inexistentes, fazer malabarismos com as emoções para descobrir que tudo é maravilhosamente inútil. Escrever para as amigas e para uma mesma palavras que não podem ser ditas, nomear o inominável, arriscar onde não há perigo. Gozar o cansaço de viver todos os dias, não esperar. Ser encontrada pelas beiras, olhando muito perto.

Laila_lilas às 19:06

| fala | dizem por aí (4) | favorito
|

Ferrater

(...)
No guardis les imatges
que saps pensar i descriure
i un dia de feblesa
pots partir-te amb els otres.

Laila_lilas às 19:02

| fala | favorito
|

Segunda-feira, 12 de Junho de 2006

Vísceras

A literatura que me emociona é a que aponta directamente ao estômago. Há outras das que gosto, vam ao coração ou ao cérebro, todas são válidas e gostosas. Mas apenas me agarra, me dá volta, mexe em mim, a estomacal.

A vida que me emociona é a que aponta directamente ao estômago.


Laila_lilas às 09:46

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Terça-feira, 6 de Junho de 2006

Verão

Semelha que no verão é mais difícil o silêncio, evitar o barulho. Semelha que a felicidade se apodera por decreto das pessoas todas, que o Sol ilumina até na sombra.
Agora é apenas deixar-se deslizar, num fio de luz que é rio a desbordar. Deslizar pelas beiras, deixar-se alimentar. Fazer viagens a Paris ou a uma mesma, visitar-se, dar-se abraços e beijos de bem-vinda e aparentar que é a primeira vez (ou aparentar que é como a primeira vez).

Laila_lilas às 18:58

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Quinta-feira, 1 de Junho de 2006

Viver

Viver, como escrever, consiste em ir tirando os excessos (de equipagem)

Laila_lilas às 13:41

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds