história recente

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

A história

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Terça-feira, 30 de Maio de 2006

Incompatibilidades

Viver é incompatível com escrever. Pelo menos em simultâneo. As emoções precisam um tempo de digestão, mastigá-las, degluti-las, digeri-las e mesmo, se for preciso, vomitá-las.  Então sim, então podes fazer discursos, transformá-las em palavras, falseá-las, dar-lhes formas variadas, perverti-las. Enquanto as vives, nada se pode dizer, nada que faça justiça à verdade. Como se a verdade existisse.

Laila_lilas às 19:45

| fala | favorito
|

Terça-feira, 23 de Maio de 2006

Incoerências

Geografia oral que se escreve, uma língua que se despide enquanto fica o corpo, ter sono e não dormir, ter vontade e não fazer, deixar o tabaco com um cigarro aceso, sorrir mesmo depois de ler as notícias, zangar-se com um meninino bonito, dar e não deixar-se receber, beijos sem língua, um só braço no abraço, piscar um olho estando só...

Não saberia viver a coerência.


Laila_lilas às 20:42

| fala | favorito
|

Sexta-feira, 19 de Maio de 2006

Palavras

Nunca dizem o que querem dizer. Nem a mesma palavra significa a mesma coisa em momentos diferentes. Se reparáramos, ficaríamos mudos para sempre a ler linguagens menos mentirosas. Afortunadamente, ninguém repara e conversamos.

Laila_lilas às 14:10

| fala | dizem por aí (3) | favorito
|

Cheiro a esfera (a Ramom Gris)

É um cheiro que não se ve mas que se sente, é um cheiro transparente que chega à toda a gente. Redondo, vidroso e bem cheirosos. Mas quando se aproxima à gente, fuge na procura dum lugar menos quente.
É um cheiro caloroso, chega com gosto e vira vermelho o rosto.
Cheiro a esfera. Que desgosto!

Laila_lilas às 14:08

| fala | dizem por aí (1) | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Maio de 2006

Feriado

Difícil de acreditar. Todos os meus desejos para este dia feriado: estar só na casa, um bocado de ioga e leitura no parque mais bonito do mundo. O bom dos desejos de medida minúscula é que se conseguem.

Laila_lilas às 10:29

| fala | dizem por aí (4) | favorito
|

Domingo, 14 de Maio de 2006

Canetas

Fazem parte do meu corpo, são uma extremidade mais que comunica directamente o coração e o papel.  Há algo de ritual no facto de escrever manualmente, há também algo de coreografia, de dança, de sexo. A caneta riscando o papel soa a sinceridade. É algo físico, algo primário que fai parte de ti como a comida.
Se for pluma, é um prazer sibarita.

Laila_lilas às 17:53

| fala | dizem por aí (2) | favorito
|

Quinta-feira, 11 de Maio de 2006

Como

Como. Tenho um pedaço de pão de trigo untado de azeite. Está apoiado na beira dum prato, deixando sítio para o presunto e o pemento vermelho. O processo da comida tem fases. Como o amor. Como a literatura. O antes é a vista. A composição do prato, pão à direita, presunto à esquerda e mais à esquerda o pemento vermelho. E um fio de azeite, ocre, a escorrer polos bordos do pão deixando um rasto premonitório.

Depois é o tacto, abrir a mão no ponto exacto para dar alcance à fatia. Apanhar o presunto entre os dedos, sentir a gordura salgada entre o indicador e o polegar. E com o garfo, colocar tudo acima do pão.

Então é o olfacto. O odor a azeite, azedo. A presunto, salgado. A pemento, picante. As glândulas começam a salivar, a boca enche-se de água e nom é uma metáfora má.

Apoio a fatia de pão nos dentes, um pedacinho de presunto a tocar a ponta da língua transmitindo as primeiras sensações gustativas. Fecho a boca sobre o conjunto e é o ouvido. O estalar da códia do pão, o ranger dos dentes.

Então sim, é o gosto. O azeite a escorregar agora entre a língua e o padal. A textura mole do pemento a desfazer-se, aos poucos, viajando por todo o oco bucal. Entretanto, a mandíbula fai o seu trabalho, mobilizando a dentadura a triturar. O presunto desfia-se para ir mesturar-se com o pemento e o pão. Todo junto, na boca é uma festa de suavidade, sal e picante. Uma festa de líquidos a escorregar pola garganta. Uma festa.

[Longe, afastada, muito afastada, na TV, a gente morre. De fome.]


Laila_lilas às 19:57

| fala | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Maio de 2006

Cunchinhas

Procuro abridor de cunchinhas. Serve também abridora. Deve ser delicada, não fazer dano e não ter pressa.  Caminhar amodo não apenas pela praia, também pelas ruas da louca cidade. Deve estar pronta para as mais variadas cunchinhas, valem todas as cores, tamanhos e formas.
Se não encontrasse especialista, conformarei-me com coleccionador de sonhos. Que coleccione um em que abra cunchinhas de cores, amodo, nas loucas ruas da cidade .

Laila_lilas às 19:30

| fala | favorito
|

Sábado, 6 de Maio de 2006

Às vezes

Tenho um fecho ecler em vez de coluna vertebral. Abre e fecha peça por peça apanhando pedaços de pele, de carne, fazendo um bolinho de massa laila_lilás. Essas vezes o pescoço chega-me ao joelho e não há diferença entre ambos, confundem-se e não sei quem aguenta das pernas ou da cabeça. Não sei onde se apoia a ideia nem se o ventre tem algum ponto de apoio para mover o mundo (o meu).
Depois, degluto o bolinho laila_lilás com um bocado de álcool, algum amigo e um pouquino de amor. E o fecho ecler torna de novo coluna vertebral.

Laila_lilas às 16:23

| fala | dizem por aí (4) | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Maio de 2006

O mais simples

O mais fácil, o mais simples, o mais natural, o essencial.... é sempre o mais difícil de conseguir.
- Não pensar.
- Ficar quieta.
- Fazer apenas uma coisa de cada vez.
- Ir devagar.
- Amar apenas.

Laila_lilas às 19:23

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds