história recente

Feriado

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

A história

Junho 2017

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Segunda-feira, 5 de Março de 2007

Identidade

A excitação especial nas duas curvas de Trimaz, justo antes de passar por debaixo do arco de fraga que, quase, tapa a estrada. A necessidade de respirar mais fundo apesar de ter as janelas do carro fechadas e cheirar, apenas, o ridículo ambientador com odor a limão. Os ritos, aminorar a velocidade, mudar de quarta para terceira, o pisca que marca a direita... Pôr as luzes mínimas antes de entrar diante da casa e sentir como o cão começa a saudar. Depois a conversa, a vida completa de pessoas que nom conheço, as últimas mortes da paróquia, as novidades da vizinha, as sementes, outro mais que vendeu as vacas. Ralentizada, instalo-me no tempo-Tardade.

A necessidade vital de fugir, de abandonar, de deixar atrás sementes, vacas, vizinhas, obituários... De acelerar, fazer um trabalho entanto penso no seguinte, de consultar a Internet e combinar ao telefone para a última novidade teatral, sair correndo dum lado para outro sem direcçom reconhecível.

A mulher escindida.

Laila_lilas às 10:33

| fala | favorito
|

pesquisar

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds