história recente

Consumo rápido

Diário de viagem

A beleza

Silêncio

Isto não é

Tempo

Noites

Cores de vida

Mudanças

...

Paraíso

Às vezes...

Segurança

Anos

Puzzle

Repetições

Memória

Reset

Virginia Woolf

Vida

A história

Junho 2016

Novembro 2015

Março 2015

Agosto 2014

Dezembro 2013

Setembro 2013

Outubro 2012

Julho 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Terça-feira, 19 de Dezembro de 2006

Homenagem privada

            Ao meu pai.

 

 

            Apenas restavam três dias para ele morrer. Assim pensado, o facto poderia ser motivo de dor e mesmo desesperaçom. Nom era novo, mas tampouco um velho enfermo com probabilidades avondas para ter os dias contados. Mas ninguém estava desesperado. Nem ele, nem a sua família: a mulher, os filhos, a irmá, primos... Ninguém sofria porque ninguém sabia que em três dias, o homem, morreria num estúpido acidente, só e fulminantemente.

            Aquele dia estavam de festa. Já se sabe, festa do patrom. Muita comida, jantares que se alongam horas, sobremesas impossíveis de digerir depois de ter já ingerido três ou quatro pratos de abundosas viandas. Mas ninguém se arredou, comeram-se as sobremesas e os seus correspondentes cafés com gotas. O tema do dia: a idade, agora nom é o mesmo, bem vedes, tudo nos leva mais tempo, somos torpes, já nom sabemos fazer nada. Tema aborrecido para quem, como eu, já o escutara quase cada semana e aliás, nom acreditava nele. O homem sorria, nom dizia nada mas sorria. Falava-nos calando, como tantas vezes. E nom o fazia misteriosamente, nom era um sorriso cínico de quem sabe mais. Apenas sorria aceitando, aceitando-se e negando cara os demais um sofrimento que, certeza, havia tempo que figera ninho na sua cabeça. O tempo. A idade inevitável. A fraqueza. A ausência daquela força que deixara pouso nas maos como pegada inapagável. Àquelas maos que eu, a que nom acreditava, vira tantas vezes curar com cola para que as gretas do frio nom doessem e permitissem trabalhar.

            Mesmo aquele dia de festa, a alegria tornara cansaço e a volta à casa uma brincadeira mais com o homem que já nom sabia, nom podia, andar direito. Aquela noite nom ceamos juntos. O estômago nom permitia  que comêssemos nada mais, cada um decidiu uma soluçom digestiva diferente: menta poleio eu, maçá o homem, copo de aguardente a mulher. Porque nom tínhamos motivo para a dor, porque nom sabíamos que aquela noite era a última que pudéssemos brincar com o homem polo seu arrastar as sapatilhas, a última noite que o homem se fosse à cama quase sem avisar, desejando boa noite e até amanham se deus quiser.   

             Tampouco sabíamos no dia seguinte, quando a despedida, que aquela ia ser a última. Que os beijos que nos dávamos com a promessa de telefonar-nos, de ver-nos em breve, dentro de quinze dias ou três semanas, como sempre, iam ser os últimos. Que nom ia haver mais como sempre porque dois dias depois, o tractor que levava conduzindo quase quarenta anos, ia pousar-lhe a roda por cima das costelas, deixá-lo sem ar e sem tempo para pedir ajuda ou para que a mulher pudesse vê-lo uma última vez com vida.

            Apenas restavam três dias para ele morrer e estávamos de festa. Ele, o homem, e a família: mulher, filhos, primos... E nem a digestom interrompida pola notícia ao telefone, nem as lágrimas que a sua morte produziram, nem os desejos, as perguntas, as maldiçons pola injustiça. Nem a dor. Nada vai fazer que tiremos da nossa memória o sorriso silencioso dum dia de festa que foi o último, o sorriso e o silêncio, a sua pegada para sempre.

 

sons: Astor Piazzolla: Adios Nonino

Laila_lilas às 13:58

| fala | favorito
|

dizias algo?:
De Anónimo a 20 de Dezembro de 2006 às 11:38
com efeito temos de combinar..a gente fala...


De Laila_lilas a 21 de Dezembro de 2006 às 09:12
Temos que combinar, o meu comentarista anônimo


De luzinha a 28 de Dezembro de 2006 às 16:42
As boas histórias levam associados um número concreto de sentimentos (risos , choros, medos...) que devem ser espertados nos receptores para cumprir a sua missiom .
As bágoas que nos deitamos com este conto som bágoas que ti nom terás que chorar.
Obrigada.


De quemaistem a 29 de Dezembro de 2006 às 18:50
para quem ficar que grande justiça ficar também com os sorrisos, verdadeiros pensos curativos. além da tristeza, alegra-me imenso ler-te. bjs


De Anónimo a 2 de Janeiro de 2007 às 17:11
Obrigada a todas as que me queredes (e aliás me ledes), é de grande ajuda ainda que nom volo diga todas as vezes que som realmente necessárias.
Um grande abraço


Comentar post

pesquisar

 

Junho 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


gosto

Desamparo

Mundos impossíveis

Olhos

Tu também

Eu e a outra

Fantasia de amor

Homenagem privada

Diz Antonio Gamoneda

Escuro

Mais outra vez a lua

blogs SAPO

subscrever feeds